Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Coordenador do Núcleo de Estudos em Linguagens Gráficas (NelGraf) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, é pesquisador em design e comunicação visual. Professor adjunto da Escola de Comunicação (ECO/UFRJ), ministra disciplinas de design editorial e produção gráfica. Possui doutorado em Comunicação e Cultura (2002) e mestrado em Comunicação (1997), ambos pela UFRJ. Tem seis livros publicados, todos com autoria do texto integral, em inúmeras reedições. Foi fundador da 2AB Editora, pioneira na publicação de livros brasileiros sobre design, da qual foi editor de 1997 a 2007. É editor da revista acadêmica "Linuagens gráficas", publicada pelo Nelgraf/UFRJ. Tem experiência na área de Jornalismo e de Comunicação Visual, com ênfase em Design Gráfico, atuando principalmente nos seguintes temas: estudos culturais, teoria do design, design editorial, identidade visual, produção gráfica, tipografia e história do design.

 

 

Professor Adjunto 

Departamento: de Expressão e Linguagens

Contato: 

Site:

 

 

ENSINO

Disciplinas na Graduação

  • Cálculo de Custos e Matérias-primas
  • Layout Editorial


Disciplinas na Pós-Graduação

 

 

PESQUISA

  •  Design gráfico e ideologia: Estudo de caso da revista "Filme Cultura" (1966-1975)

Analisar o projeto gráfico, bem como sua aplicação ao longo do período de publicação estudado (1966-1975), da revista "Filme Cultura", periódico patrocinado pelo governo federal, por meio do Instituto Nacional do Cinema (INC) e, posteriormente, pela Embrafilme. A pesquisa se insere num objetivo maior, que é o da compreensão do design gráfico como recurso ideológico de busca de hegemonia no contexto de um regime politicamente autoritário. Neste enfoque, a análise gráfica da revista se cruza com sua análise como instrumento político. "Filme Cultura" foi publicada ininterruptamente, embora com periodicidade variável, de 1966 a 1975. A publicação foi retomada entre 1978 e 1980, novamente interrompida até 1983 e dada como encerrada em 1988. Voltou a ser publicada a partir de 2010, pelo CTAv, Centro Técnico Audiovisual, órgão do Ministério da Cultura, tendo tido 12 edições publicadas e mantendo-se em atividade até o presente. O recorte assumido, limitando a amostra de análise às 27 primeiras edições, justifica-se por uma periodização parametrizada pelos projetos gráficos adotados pela revista. Embora no período delimitado 1966 a 1975 a publicação tenha tido dois projetos, é possível identificar uma unidade entre eles que possibilita esta periodização. Além disso, dos oito projetos gráficos aplicados ao periódico, estes dois são os que tiveram continuidade mais longa (respectivamente, 18 e 8 edições). É preciso ainda observar que o primeiro número de "Filme Cultura" incluído na análise justamente por se tratar do número de lançamento teve um projeto gráfico próprio, que não foi levado adiante. A retomada da revista, em 2010, assumiu um novo projeto que perdura até o presente, em 12 edições. Este não está incluído nesta pesquisa por fugir ao seu escopo, já que está sendo publicada em outro contexto, quase trinta anos após o fim do regime militar. 

Grupo de Pesquisa:

NelGraf - Núcleo de Estudos em Linguagens Gráficas (UFRJ) 


Áreas de interesse:
 cultura, política, design; representações culturais, identidades e movimentos sociais; história da comunicação visual e dos processos gráficos

 

 

EXTENSÃO

  • Jornal A Ilha - Comunicação visual e edição de jornal auto-sustentável em comunidade com forte viés identitário

Edição e design gráfico de jornal comunitário organizado, elaborado e mantido por moradores da Ilha de Paquetá - bairro da cidade do Rio e Janeiro que, embora próximo ao centro desta metrópole, preserva uma identidade própria com relação ao restante da cidade. O projeto engloba todas as etapas de produção do periódico mensal, que são realizadas de modo voluntário por moradores - das reuniões de pauta à distribuição, passando pela edição dos textos e pelo design gráfico da publicação, com a única exceção da produção gráfica (pré-impressão, impressão e acabamento). A comunidade de Paquetá vive permanentemente ameaçada na preservação de suas tradições e no modo peculiar de vida de seus membros (muito semelhante a de uma pequena cidade do interior, com a singularidade de não contar com o trânsito de veículos a explosão, que são proibidos por lei). Malgrado sua situação insular e as dificuldades de transporte no translado para o continente, a proximidade com o centro da capital fluminense (a apenas 13km de distância) impõe uma tensão permanente, à qual o jornal - iniciativa dos próprios moradores - 'A Ilha' procura responder. O jornal tem ainda singularidades com relação ao jornalismo comunitário convencional, que vão desde seu aspecto gráfico (policromia, 16 páginas, papel offset) e seu perfil editorial, que alia material noticioso e de caráter reivindicatório a uma grande ênfase à cobertura da vida sociocultural, até seu projeto gráfico, com profusão de cores, enorme gama de recursos tipográficos e destaque para o material fotográfico.

 


ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS

 

 

OUTRAS ATIVIDADES ACADÊMICAS

  • Membro de corpo editorial dos periódicos: Revista Arcos (ESDI/UERJ) e Linguagens Gráficas
  • Revisor do periódico: Revista Comunicação Midiática (Online)

 

 

SUGESTÃO DE LINKS

 

 

 


 

Topo