Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Muita gente fica perdida quando entra na faculdade e se depara com classificações diferentes para as disciplinas. Os termos são bem autoexplicativos, mas – como vocês perceberão rapidamente – o mundo universitário usa siglas, reduções e apelidos que deixam qualquer leigo (leia-se: “calouro”) totalmente perdido. Assim, quanto ao seu cumprimento e ao seu conteúdo, classificam-se em:

1. Disciplinas Obrigatórias são matérias pré-definidas, ou seja, sua liberdade de escolha aqui é reduzida. Essas disciplinas recebem distribuições específicas de acordo com o período. Por exemplo, Teoria da Comunicação I é uma matéria do 1º período, enquanto Teoria da Comunicação III é uma matéria do 3º período (você vai entender daqui a pouco porque essa informação é importante). As Obrigatórias funcionam como “âncoras” para o SIGA, ou seja, indicam ao sistema a que período o aluno pertence. Para ascender ao Ciclo Profissional, você tem a possibilidade de “ficar devendo” no máximo quatro Obrigatórias daquelas determinadas até o 3º período. Não pense que as coisas são fáceis assim porque, como acontece com qualquer dívida, um dia você terá que “pagar” – no caso, o recebimento do seu diploma depende disso.

Há também algumas matérias Obrigatórias que exigem Pré-Requisito, ou seja, você precisa ter cursado com sucesso determinada disciplina para conseguir se inscrever em outra. Voltando ao exemplo acima: para fazer Teoria III você precisa ter passado em Teoria II; por sua vez, para ter feito Teoria II você certamente passou em Teoria I. Você pode descobrir pelo próprio SIGA se/quais Pré-Requisitos são necessários, além de saber quais são as Disciplinas Obrigatórias para cada período.

No caso de Direção Teatral não existe a divisão Ciclo Básico – Ciclo Profissional, mas a maior parte do currículo é composto por matérias Obrigatórias. Nesse caso, é necessário prestar mais atenção para cursar direitinho as matérias específicas de cada período. No entanto, o currículo é mais direto. Além das Obrigatórias, há as Atividades Acadêmicas Optativas, que se dividem em Grupo A e Grupo B. O Grupo A tem metodologia semelhante à das Complementares de Teoria e de Habilitação, que nós veremos logo abaixo, enquanto o Grupo B segue os preceitos das Disciplinas de Livre Escolha.

 

2. Disciplinas Complementares de Teoria são matérias cujo nome dispensa muitas explicações. Também constituem um conjunto limitado de disciplinas. Porém, ao contrário do que acontece com as Obrigatórias, elas não possuem nenhum tipo de preferência por período (você verá mais embaixo qual é o efeito prático disso). É importante saber que você terá de cursar no mínimo cinco delas durante o curso. O esperado é cumprir uma por período, a partir do 3º.

 

3. Disciplinas Complementares de Habilitação também tem um nome bastante esclarecedor. Seguem os mesmos preceitos das Complementares de Teoria, com a diferença de serem voltadas para a prática. Também é cinco o número mínimo de disciplinas desse tipo que você precisa cursar.

 

4. Disciplinas de Livre Escolha são a grande magia da vida universitária. É uma categoria tão especial e inacreditável que, por mais que o nome seja bastante autoexplicativo, sempre é necessário reforçar para que o calouro não pense que está sonhando. As matérias Livre Escolha são simplesmente qualquer matéria de qualquer curso da UFRJ. Isso mesmo: o céu (no caso, o conjunto das faculdades e dos campi da UFRJ) é o limite. Você pode, além das cinco Complementares de Teoria necessárias, fazer uma extra e enquadrar nessa categoria. Pode também fazer matérias da faculdade de Psicologia ou puxar Cálculo I no prédio de Engenharia. Basta ter imaginação o suficiente para fazer no mínimo cinco disciplinas além das quantidades mínimas previstas nas categorias anteriores. Sim, é sensacional.

 

Vale lembrar que existem também os Laboratórios de Comunicação. São disciplinas voltadas para a prática, mas preferenciais para o pessoal do Ciclo Básico. Para passar ao Ciclo Profissional, você precisa fazer no mínimo dois deles. Os Laboratórios seguem uma lógica um pouco diferente das outras disciplinas – inclusive no processo de inscrição – e, inclusive, não podem ser incluídos na categoria “Disciplina de Livre Escolha”. Tudo isso será detalhado na seção Laboratórios.

 

Quatro observações importantes:

  1. Todos os números de disciplinas citados são apenas valores mínimos. Tirando o caso das Disciplinas Obrigatórias – em que o mínimo é também o máximo – você pode ultrapassar esse valor. Aliás, não só pode como deve, porque se você passou pra UFRJ a última coisa que nós esperamos que você tenha é uma mentalidade estreita.
  2. “Não ter mentalidade estreita” não significa que você possa cometer exageros. Todas as disciplinas da UFRJ estão incluídas em um Sistema de Créditos. Basicamente, cada matéria conta uma certa quantidade de créditos. Você tem que fazer no mínimo 6 créditos por período, mas não pode ultrapassar 32 créditos. Ao procurar as disciplinas que deseja cursar, preste bastante atenção ao número de créditos; a melhor indicação é não passar dos 28.
  3. O SIGA seleciona seu período de acordo com as disciplinas obrigatórias que você está cursando. Isso quer dizer que, se você está no seu segundo semestre universitário e se inscreveu em todas as Obrigatórias indicadas pelo SIGA, o sistema te reconhecerá no 2º período. Não há nada que te impeça de cursar as disciplinas em uma ordem diferente do padrão (a não ser, é claro, sobreposição de horários e inadequação ao número de créditos). Só que nesse caso é bom ficar atento, porque o SIGA pode “confundir” seu período. Explique a situação ao seu Coordenador se isso acontecer.
  4. É importante esclarecer as diferenças práticas entre matérias com preferências por período (como as Obrigatórias e os Laboratórios) e aquelas que não possuem essa especificidade (como as Atividades Acadêmicas Optativas e as Complementares).

 

A inscrição para as matérias Obrigatórias obedece a algumas regrinhas: a preferência é para alunos que vieram da mesma turma, em primeiro lugar, e depois para aqueles do período em questão. Um exemplo rápido, e de matéria com Pré-Requisito: os alunos vinculados pelo SIGA ao 2º período e que cursaram Teoria I na turma EC1 possuem preferência máxima para se matricular em Teoria II na turma EC4. Logo depois, a preferência é dos que cursaram a mesma matéria na mesma turma, mas não estão vinculados ao 2º período pelo sistema (entendeu agora a importância de estar no período certo?).

As preferências nos Laboratórios são basicamente para alunos do 3º e do 2º períodos, nessa ordem (veja mais na seção Laboratórios). Já as outras categorias não possuem preferência por período. Ou seja, o único critério de desempate é o Coeficiente de Rendimento – o popular CR.

 

 

Topo