Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Na semana do Dia das Crianças, os projetos Ópera na UFRJ e A Escola vai à Ópera apresentam o clássico da ópera infantil João e Maria (Hänsel e Gretel), do compositor alemão Engelbert Humperdinck. Com estreia no dia 12 de outubro, serão realizadas cinco récitas gratuitas no Salão Leopoldo Miguez da Escola de Música da UFRJ (EM), sendo duas exclusivas para alunos de escolas públicas e particulares.

Com direção cênica de Alessandra Vannucci e direção musical de Andrea Adour, a ópera é interpretada por um elenco de talentosos estudantes de canto da Escola, acompanhados por mais de 40 crianças do Coral Infantil da UFRJ, sob a regência de Maria José Chevitarese, e pela Orquestra Sinfônica da UFRJ, sob a regência de Ernani Aguiar e Vilane Trindade.

Dias 15 e 16 de outubro, às 16h. As demais récitas já estão com lotação esgotada.< p/>


Entrada franca. Distribuição de senhas no local uma hora antes do evento.


Mais informações: www.musica.ufrj.br


A Escola de Música da UFRJ fica na Rua do Passeio, 98 - Centro.

 

 

 

FICHA TÉCNICA

Direção Geral: Maria José Chevitarese

Direção Cênica: Alessandra Vannucci

Direção Musical: Andrea Adour

Regência: Ernani Aguiar e Vilane Trindade

Solistas

João: Jacqueline Rezende, Mariana Gomes

Maria: CrislaineHildebrant, Monalisa Lima

Pai: Marcelo Coelho

Mãe / Bruxa: Beatriz Simões, Tatiana Nogueira

Fada do orvalho: Juliana Sampaio

Fada do sono: Luísa Lima

 

Assistentes de Direção Cênica: Antonio Ventura, Daniel Salgado da Luz

Assistente de Direção Musical: Carlos Völker-Fecher

Pianistas Correpetidores: Claudia Feitosa, Gustavo Ballesteros

 

Coral Infantil da UFRJ

Regente: Maria José Chevitarese

Sopranos: Allaine Christina de Souza Andrade, AmarilisNatsu Alcântara Canado, Beatriz Couto, Carolina de Melo Morel, Caterine Benedetto Scaini, Cléo Rodrigues Valentim, Daphne Oliveira dos Santos, Davi Pereira Firmo,Emanuel Nunes Pilger, Enzo Mattos da Silva, Isabele Barbiere Lopes Montanholi, Isadora Rodrigues de Oliveira, João Victor Batista Santos, Laura de Freitas Almeida, Liz Silva Vieira, Luna TaubmanRymer, Maria Raquel de Abreu, Nina PaoniCavigiasBeloni, PaolinaGiuditta Veras D’Itria, Pedro Milesi Cerqueira de Siqueira, Roberta da Costa AnverPachá, Sophia Guedes Malman, Tiê de Kuhl e Machado, Yeles Raquel Gomes de Brito, Yuri Mendes

Mezzo-sopranos: Esther Marinho Santiago, Leticia Elias Menezes, Mayara Rosa Ribeiro, Melyssa da Silva Rodrigues, Mylena da Silva Rodrigues, Nicole Chaga da Conceição Costa, Sara Lyssa Gomes de Brito

Contraltos: Daniele Livian Oliveira Dias da Silva, Francesco Antônio Veras D’Itria, Gabriel Henrique A. S. Blazutti, Guilherme Onofre, Iane Naira dos Reis Almeida, Maria Eduarda Lima Mendes Silva, Maria Rosa Sant’anna Justino, Rodrigo Henrique de Carvalho Silva, Salvatore Fabrizio Maria Veras D’Itria

Assistentes: Carla Antunes, Pamela Malaquias

 

Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

Direção artística: Ernani Aguiar

Violinos: Fábio Peixoto, spalla, Ana Catto, André Bukowitz, Angélica Alves, Caroline de Santa Rosa, Ewerton Cândido, Felipe Damico, Felipe Prazeres, Her Agapito, Iago Pereira, Israel Pessoa, Kelly Davis, Mariana Machado, Marília Aguiar, Mauro Rufino, RananAntonini, Ricardo Coimbra, Sarah Cesário, Talita Vieira

Violas: Carlos Eduardo dos Santos, Carlos Eduardo Tavares, Cecília Mendes, Denis Rangel, Erick Alves, Francisco Pestana, Ivan Zandonade, Jessé Pereira, Rúbia Siqueira, Thaís Mendes

Violoncelos: Eleonora Fortunato, Liana Meirelles, MárziaMiglietta, Mateus Ceccato, MurilloGandine, Paulo Santoro, Ricardo Santoro

Contrabaixos: Larissa Coutrim, Rodrigo Favaro, Saulo Bezerra, Tarcísio Silva, Voila Marques

Flautas: Lincoln Sena, Thaís Bacellar

Oboés: Juliana Bravim e Pierre Descaves

Clarinetas: Felipe Santos, José Guilherme Palha, Lucas Ferreira dos Santos, Matheus Martins

Fagotes: Mauro Ávila, Paulo Andrade

Trompas: Livia Rangel, Mateus Lisboa, Tiago Carneiro, Wilton Barbosa

Trompetes: Alex Ferreira, Anderson Medeiros

Trombones: Brian Ronald, Carlos Henrique da Silva

Tímpanos: Pedro Moita, Tiago Calderano

Percussão: Geiza Carvalho, Marcos Nero

Harpas: Carlos Victor Freitas, Gabriel Vieira

Direção de produção: Vanessa Rocha

Coordenação de palco: Paula Buscácio

Monitores: Carlos Eduardo Tavares, Felipe Damico

 

Coordenação de Figurinos: Desirée Bastos

Figurinistas: Anne Carestiato, BidBujnowski, Bruna Mattos, Catharina Portella, Henrique Guimarães

Assistentes: Alessandra Moraes, Carlos Almeida, Isabel Vanderlei, Kelly Richter, Lana Cristina, Priscila Sara, Raiane Ribeiro, Rebecca Cardoso, Thaianny Theodoro, Tallyson Ramon

Coordenação de Cenografia: Andréa Renck

Cenógrafos: Caroline Amaral, LiviaCharret

Cenógrafos Assistentes: Angélica Carvalho, Fernanda Correia, Janice Schultz, Raphael Elias

Assistentes: Alessandra Rodrigues, Alexandre Adamavícius, Anya Louise, Giulia Novais, Kelly Malheiros, Miriam Guilarducci, Nícolas Gonçalves, Vitória Cravo

Cenotécnico: Humberto Silva Junior

Projeto de luz: José Geraldo

Montagem e operação de luz: José Henrique Moreira

SUAT (Sistema Universitário de Apoio Teatral): Ana Carolina Mandolini, Angélica Menezes, Calvin Fernandes, Christiana Couto, Diego Assis, Laís Patrocínio, Larissa Guimarães, Suellen Casticini, Thuany Coutinho, Wilker Lacerda

Produção: André Garcez, José Mauro Albino

Assistente de Produção: Layse Ribeiro

Programação Visual: Anna Carol Bayer

Fotografia: Rafael Reigoto

 

 

 

Maria José Chevitarese

Professora Titular de Canto Coral da UFRJ e Diretora da Escola de Música da UFRJ, desenvolve trabalhos na área de inclusão sociocultural através do canto coral e da música coral brasileira com foco principal nos séculos XX e XXI. Recebeu por três vezes o prêmio PROEXT Cultura, do Ministério de Educação, pelo projeto A Escola vai à Ópera, que tem por objetivo introduzir crianças da rede pública na linguagem da ópera. É a idealizadora e regente do Coral Infantil da UFRJ, criado em 1989, que tem em sua bagagem musical a atuação em mais de 30 montagens de óperas, cantatas, balés e obras sinfônicas no Theatro Municipal do Rio de Janeiro; e do coral Brasil Ensemble-UFRJ, criado em 1999, grupo que se dedica especialmente aos compositores brasileiros. 

 

Andrea Adour

Bacharel em Desenho Industrial pela PUC-Rio, Mestre em Música - Canto pela UFRJ,e Doutora em Educação pela UFMG. Foi professora substituta na UFRJ, UERJ eUFMG. Em 2006 ingressou como professora efetiva na UFOP e, em 2013, foi redistribuída para a UFRJ, onde é Professora do Departamento Vocal da Escola de Música. Como intérprete, privilegia o repertório camerístico dos séculos XX e XXI, sobretudo da música brasileira. Destaca-se pelo seu trabalho, há 20 anos, com o Duo Adour e, mais recentemente, com o Duo AdourMedeiros. Como pesquisadora, investiga, desde 2004, a presença de africanias na música vocal brasileira. Coordena atualmente o projeto Ópera na UFRJ.

 

Alessandra Vannucci

Diretora e dramaturga italiana, doutora em Letras pela PUC-Rio, é professora da Escola de Direção Teatral e da Pós-Graduação em Artes da Cena da ECO-UFRJ. Publicou ensaios e livros focando ideias e artistas viajantes. Dirigiu, entre outras, A descoberta das Américas, de Dario Fo (Rio, 2005); Pocilga, de Pasolini (Rio, 2006); Arlecchinoall’inferno (Veneza, 2007); Il cattivoselvaggio (Turim, 2008); Náufragos (Rio, 2009); Café, de Carlo Goldoni (Rio, 2009); Felinda (Rio, 2010); Brazilha (Brasília, 2011); O cozido (Brasília, 2012); Invisíveis (Rio, 2014) e Desaparecida (Rio, 2014). Escreveu e dirigiu a ópera infantil I Magi, em 2005, para o Teatro dell’Opera Carlo Felice, em Gênova. Seus espetáculos têm sido premiados na Itália e no Brasil.

 

Ernani Aguiar

Professor de regência na Escola de Música da UFRJ e diretor artístico da OSUFRJ, atua junto às principais orquestras do país. Como compositor, alcançou expressivo sucesso no Brasil e no exterior. Estudou com Paulina d'Ambrosio e SantinoParpinelli (violino e viola), César Guerra-Peixe (composição) e Carlos Alberto Pinto Fonseca (regência). No Conservatório Cherubini de Firenze estudou com Roberto Michelucci (violino) e AnnibaleGianuário (regência). Fez cursos de aperfeiçoamento em regência na Itália com Franco Ferrara, AdoneZecchi e Giuseppe Montanari e, na Alemanha, com SergiuCelibidache. É mestre em Música pela UFRJ.

 

Vilane Trindade

Graduanda no curso de regência orquestral da UFRJ, aluna de Ernani Aguiar e Jésus Figueiredo. Formada no curso técnico de regência instrumental da Escola de Música Villa-Lobos com o maestro Alceo Bocchino em 2010. Fundadora, diretora artística e regente titular da Orquestra de Câmara Carioca. Integra o movimento Mulheres Regentes. Participou de diversos festivais de música, como o Festival Música nas Montanhas, e conta com o coaching da maestrina Alexandra Arrieche. É diretora musical e regente titular de dois núcleos da Ação Social pela Música do Brasil.

 

Solistas

Anualmente, as coordenações dos projetos Ópera na UFRJ e A Escola vai à Ópera realizam audições para a seleção, entre estudantes de canto da Escola de Música, de solistas para as suas montagens. Para esta ópera infantil foram selecionados nove cantores, sendo que duas solistas para cada umdos papéis principais (de João, Maria e Bruxa). Em sua maioria, os cantores já participaram de outras óperas produzidas pela Escola, como O Diletante e O limpador de chaminés. Todos os solistas integram ou já integraram o conjunto vocal Brasil Ensemble da UFRJ.

 

Coral Infantil da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Criado em 1989, é hoje um grupo consolidado, já tendo se apresentado junto às principais orquestras brasileiras. Com mais de 450 apresentações em seu curriculum, o grupo já participou das montagens de Tourandot, La Bohème e Tosca, de Puccini; Carmem, de Bizet; Mefistófoles, de Arrigo Boito; Flauta Mágica, de Mozart; Macbeth, de Verdi; Billy Budd e War Requiem, de Benjamin Britten;Mandu-Çarará, Magdalena e Magnificat Alleluia, de Villa-Lobos; O Menino Maluquinho, de Ziraldo e Ernani Aguiar; Carmina Burana, de Carl Orf;, 3ª Sinfonia, de Mahle;, Te Deum, de Berlioz; e OntheTransfigurationsof Soul, de John Adam, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Atuou nas comemorações do Bicentenário da Independência da Argentina, realizando concertos em Buenos Aires. Em 2016, participou da solenidade de encerramento das Olimpíadas do Rio de Janeiro.

 

Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ)

É a mais antiga orquestra do Rio de Janeiro, com 92 anos. Diversos regentes com ela atuaram, entre eles os compositores Francisco Mignone, Oscar Lorenzo Fernandez e José Siqueira. As óperas passaram a fazer parte da temporada anual de concertos a partir de 1949. Em 1969, o maestro Raphael Baptista foi nomeado seu regente titular. Foi sucedido em 1979 pelo maestro Roberto Duarte, que esteve à frente do conjunto por mais de quinze anos. De 1998 a 2015, esteve sob a direção artística dos maestros André Cardoso e Ernani Aguiar. Atualmente, está sob a direção de Ernani Aguiar. Em 1997, realizou a gravação integral de Colombo, de Carlos Gomes (1836-1896), que mereceu dois importantes prêmios: Prêmio APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) de “Melhor CD de 1998” e Prêmio Sharp 1998 de “Melhor CD” na categoria música erudita. Suas funções acadêmicas visam ao treinamento e à formação de novos profissionais de orquestra, solistas e regentes.

 

Figurinos e Cenografia

 

Os figurinos e cenário da ópera são assinados por estudantes do Curso de Artes Cênicas da Escola de Belas Artes, orientados por docentes de Indumentária e Cenografia. Os alunos têm a oportunidade de colocar em prática os ensinamentos teóricos e técnicos aprendidos em sala de aula, desenvolvendo com criatividade e autonomia todo o processo de concepção e confecção das roupas, adereços e objetos cênicos.

 

Topo